Críticas /

Art Critics

VIDAS DENTRO DE VIDAS

Por Fernando Durão, Crítico de arte

Adriana faz da pintura sua energia para poder se expressar e se comunicar com o mundo. A artista recria em suas telas a presença do ser humano, há muito distante de si próprio. Uma encantadora viagem através de belas e misteriosas figuras femininas que, habitam vidas dentro de vidas.

Suas pinturas resgatam com grande personalidade e originalidade um universo que reflete uma busca constante impondo com sua linguagem plástica a retratação do ser. Adriana faz ainda, da energia pictórica, contestações, posicionamentos e inovações que servem como paralelo para que possamos compreender sua incrível visão do universo exterior - simultaneamente ligado a sua realidade interior.

Somada à preocupação das sensações na elaboração de sua arte, Adriana Garibaldi coloca a realidade de sua obra. Recria uma atmosfera de leveza e pureza que, com certeza, envolve o observador, fazendo-o sentir uma profunda sensação de imagens espirituais.Num estreito relacionamento com as formas realistas somos brindados com as mais ricas vibrações energéticas.

Dotada de grande conhecimento e sensibilidade perceptiva, a artista mostra em suas obras um grande aprimoramento técnico e amadurecimento emocional.

EM SINTONIA COM O SAGRADO

por Eliane Mesquita

Há mais de 30 anos dedicando-se à arte, Adriana Garibaldi coloca na tela o que sente e acredita. O resultado é uma pintura que vai além do mundo real, agradando aos olhos, à alma, ao espírito.

Apenas alguns segundos diante das telas de Adriana Garibaldi nos despertam para a possível ligação íntima e atemporal, entre os planos terreno e espiritual. As figuras humanas se fundem a formas abstratas e ganham contornos suaves, quase etéreos. Resultado da técnica impecável e imensa sensibilidade desta artista plástica argenta radicada no Brasil. Suas pinceladas translúcidas parecem registros flashes de um mundo que normalmente nossos olhos não são capazes de captar. É um convite a um momento de recolhimento e introspecção.

O clima de mistério surge sem intenção. “Na busca de uma interpretação da existência humana, os sentimentos e as emoções ultrapassam as considerações intelectuais, o concreto, oreal”, revela a artista que, a cada tela, parte da temática figurativa. Mas ao longo do trabalho, as formasfísicas vão sendo sublimadas, surgindo imagens que vão além do mundo material.

Até chegar onde está -madura e irretocável - sua pintura passou por várias transformações. No início, o tema era natureza morta.Em seguida veio cubismo e, finalmente, a metafísica ou realismo fantástico, tal como definido pela própriaartista. Na última década, ela virou-se para a arte abstrata, continuando a manifestar a espiritualidade quefoi muito presente em sua fase anterior.

“É um tema fascinante, sempre presente no meu trabalho”, diz ela.

Adriana Garibaldi estudou Belas Artes na Argentina, onde também trabalhou no atelier do artista plásticoJorge Ludueña. Mas foi no Brasil, onde vive há 32 anos que ela desenvolveu seu próprio estilo, cheio depersonalidade. Com a ajuda de uma espátula, uma ferramenta que ela começou a usar recentemente, elacria nuances para contrapor a leveza das pinceladas fluídas, quase aquareladas. Essa combinação de técnicas traz equilíbrio e harmonia ao seu trabalho. Tons de vermelho e amarelo sempre estiveram presentesem sua paleta. Mas hoje tornam-se predominantes.

Segundo a artista, não há um motivo consciente paraouso intenso dessas cores.

“Talvez para que não fique tudo tão aéreo. São tons quentes, da terra. É como por os pés no chão, um pouco...”, conclui a artista sensível e intuitiva.

LIVES WITHIN LIVES

By Fernando Durão, Art Critic.

Adriana turns her painting into an energy that enables her to express herself and communicate with the world. Through the presence of the human being, who has been apart from himself for such a long time, the artist recreates in her paintings a delightful journey through beautiful and mysterious feminine figures, which inhabit lives within lives.

Her pictures rescue, with great personality and originality, a universe that reflects a continuous search and imposes, with its plastic language, the redeeming of the self. Adriana also uses pictorial energy as contestation, positioning and innovation that serve as parallel for us to understand her incredible vision of the external universe, simultaneously attached to her inner reality.

Along with the concern about sensations, when elaborating her art, Adriana Garibaldi places the reality of her work. She recreates a soft and pure atmosphere, which undoubtedly embraces the observer, making him experience a deep sensation of spiritual images. In a close relationship with realistic forms, we are offered the most precious energetic vibration.

Gifted with great knowledge and perceptive sensibility, the artist shows in her work, a great technical improvement and emotional maturity.

IN TUNE WITH THE SACRED

By Eliane Mesquita

Having dedicated herself to art for over 30 years, Adriana Garibaldi shows what she feels and believes right on her canvasses. The result is a painting that goes beyond the real world, providing a feast for the eyes, soul and spirit.

Just a few seconds in front of Adriana Garibaldi’s canvasses awakens us to the intimate and timeless connection that possibly exists between the earthly and the spiritual plane. Human figures melt into abstract shapes and soft, almost ethereal, contours. This is result of the Argentine-born Artist’s impeccable technique and immense sensitivity. Her translucent strokes seem to record flashes from a world that our eyes normally cannot capture. It is an invitation to contemplate and to meditate.

The mysterious atmosphere is not intentional. “It is a searching for a different interpretation of human existence, feelings and emotions that transcends intellectual reasoning, the concrete or the real world”, says the artist.

Her work, in every canvas, starts with a figurative theme. But as it progresses, the physical shapes change, giving way to images that reach beyond the material world. Garibaldi’s painting went through several transformations before reaching its present level of maturity and perfection.

At the beginning she concentrated on still lives. Next came cubism and, finally, metaphysics or fantastic realism, as defined by the artist herself. In the last decade, she has turned to abstract art while continuing to express the spirituality that was very much present in her previous phase.

“It’s a fascinating theme, ever present in my work”, she says.

Adriana Garibaldi studied Fine Arts in Argentina, where she also worked in the atelier of fine artist, Jorge Ludueña. But it was in Brazil – where she has been living for 32 years – that she developed her own style and personality. With the help of a spatula – a tool she started using only recently – she creates nuances to counterbalance the lightness of the fluid, almost aquarelle-like, brush strokes. Such a combination of techniques brings balance and harmony to her work. Shades of red and yellow have always been on her palette, but today they predominate.

According to the artist, there is no conscious reason for the intense use of these colors.

“Perhaps I do this so that my paintings don’t become too airy. These are warm, earthy shades. It’s like putting one’s feet on the ground for a bit…”, concludes the sensitive and intuitive artist.